Posts com Tag ‘Socialismo’

Nas fábricas e indústrias são produzidas mercadorias úteis naturalmente (necessidade inata) ou artificialmente (necessidade socialmente produzida) ao homem. Na maior parte das fábricas, o local, as máquinas, ferramentas e matéria-prima, etc., são de uma pessoa ou um pequeno grupo de pessoas chamados BURGUESES e sua classe a BURGUESIA. Esses meios pelos quais se produz a mercadoria, (galpão, máquinas, ferramentas, matéria-prima, etc.) são chamados de MEIOS DE PRODUÇÃO.

Quem trabalha para produzir a mercadoria são os OPERÁRIOS. Eles não tem os meios de produção, apenas sua força de trabalho, que vendem para o patrão (BURGUÊS) em troca de salário. Sua classe composta de assalariados é chamada de PROLETÁRIOS.

No dia a dia, entretanto, a convivência nem sempre é harmoniosa. BURGUESESOPERÁRIOS tem objetivos distintos e na maior parte das vezes, antagônicos (contrários). O objetivo dos burgueses é acumular capital (concentrar dinheiro ou meios de produção) e o objetivo dos operários é terem melhores condições de vida (moradia, alimentação, saúde, lazer, etc.). Dessa forma, para que o BURGUÊS pague maiores salários e forneça melhores condições de vida para os operários, ele tem de ir radicalmente contra o seu PRINCIPAL objetivo de acumular riquezas. Os OPERÁRIOS por sua vez, para conquistarem melhores condições de vida, devem exigir melhores condições por meio da LUTA DE CLASSES em sua forma mais imediata.

Com o decorrer do processo histórico, desde o início da industrialização, tanto a BURGUESIA quanto o PROLETARIADO perceberam que para melhor defender seus interesses contrários uns aos outros, deveriam fazê-lo de forma coletiva.

A BURGUESIA criou seus órgãos de defesa de seus interesses, enquanto os OPERÁRIOS passaram a se reunir também para discutir seus problemas, definir estratégias e táticas para atingir seus objetivos criando o MOVIMENTO OPERÁRIO. Com o amadurecimento de suas lutas a partir da própria experiência, os OPERÁRIOS perceberam que não bastava apenas reivindicar melhores salários. Era necessário tomar controle dos MEIOS DE PRODUÇÃO.

O grande problema é que a BURGUESIA, classe que explora o PROLETÁRIADO, jamais abriria mão da sua riqueza e do seu poder construído com o suor dos OPERÁRIOS. Ambas as classes perceberam que isso só poderia se dar por meios revolucionários, ou seja, à força, e que tomando o controle dos MEIOS DE PRODUÇÃO, o poder da burguesia seria destruído e toda a riqueza produzida pela sociedade poderia ser reinvestida e assim distribuída entre a sociedade. À esse sistema no qual a os MEIOS DE PRODUÇÃO são coletivos (de todos) e a riqueza criada por eles é compartilhada pela sociedade, deu-se o nome de SOCIALISMO.

Desde então, a história da humanidade vem sendo a história da luta entre a BURGUESIA e os TRABALHADORES (proletários). Os TRABALHADORES em luta desenvolvendo sua CONSCIÊNCIA DE CLASSE na luta diária para TRANSFORMAR a sociedade, enquanto a BURGUESIA tenta com todos os seus esforços REAGIR contra essa transformação social e contra essa tomada de CONSCIÊNCIA por parte dos TRABALHADORES.

Assista o vídeo abaixo:

Leia agora o manifesto dos trabalhadores da fábrica FLASKÔ:

Manifesto 10 Anos de Fábrica Ocupada Flaskô

Em 12 de junho de 2003, nós, trabalhadores da Flaskô, decidimos tomar nosso presente em nossas mãos, decidimos alterar o destino que o capitalismo e os patrões nos empunham. Nós decidimos tomar a fábrica e coloca-la sob o controle dos próprios trabalhadores. Marchamos nestes dez anos defendendo a palavra de ordem “Fábrica quebrada é fábrica ocupada, e fábrica ocupada deve ser estatizada e colocada sob controle dos trabalhadores”.
A força que nos moveu foi a mesma que nos fez suar de sol a sol, durante nossa vida, vendendo nossa energia para rodar as máquinas do capitalismo e com isso receber um salário para comer, morar e criar nossas crianças. Mais do que isso, a força que nos moveu foi a necessidade de acabar com o horror que vivíamos e também o conjunto de nossa classe.
Porém, em 12 de junho de 2003, nossa força estava animada também com a certeza de que um período havia que se esgotar. O período em que tudo estava organizado somente para o interesse dos patrões. Foi esta esperança, que, naquele momento, se materializava a vitória de Lula. Tendo ele como presidente, nos dava uma coragem ainda maior para irmos em frente. Éramos mais de trezentos que participavam da assembleia que realizamos naquele dia. Éramos uma força que havia tirado os trilhos da história do seu caminho.
E por isso decidimos reconstruir tudo. Assim, ocupamos a fábrica e nos articulamos para garantir o direito ao trabalho, nossa principal forma de dignidade. Para tanto, só havia um caminho, avançar para tomar as fábricas dos patrões, reorganizá-las de acordo com os interesses de nossa classe, de acordo com os interesses mais gerais da humanidade – a vida e a solidariedade entre os próprios trabalhadores, uma vida sem exploração. Organizamos, a partir daí, uma nova fábrica para se trabalhar. Nos unimos aos sem terra para lutar por reforma agrária e o pelo fim do latifúndio. Gritamos: “Quando o campo e a cidade se unir a burguesia não vai resistir”.
Da mesma forma, nos solidarizamos com todo o povo trabalhador explorado, impulsionando a luta pela moradia. Decidimos começar a unir convicção e ação a partir do terreno do patrão que durante décadas sugou nossa vida. Tomamos o terreno, e construímos a Vila Operária, onde vivem hoje 564 famílias. Assim como impulsionamos o projeto Fábrica de Cultura e Esporte, com centenas de atividades realizadas, envolvendo o conjunto da comunidade, com crianças, jovens e adultos, garantindo acesso à cultura, lazer, etc.
Justamente por isso, a cada passo que avançamos, um estalo maior vinha de nossos inimigos – os patrões e seus representantes nos governos, inclusive no governo Lula. Quando avançava a campanha em apoio ao governo Venezuelano, a FIESP se levantou contra nós, convocando os empresários a se mobilizarem contra nossa luta. Quando iniciamos o trabalho de articular as fábricas tomadas na America Latina, a OMC interviu e tentou impedir que esta unidade avançasse.
Em 2007 eles decidiram nos atacar. Mais de 150 policiais federais tomaram a Cipla e Interfibra, ambas então ocupadas em Santa Catarina, expulsando os trabalhadores e empossando um interventor reacionário para realizar os ataques contra as conquistas sociais, legais e humanas que 5 anos de controle operário havia garantindo. É por isso que disseram expressamente na sentença judicial o que realmente eles tem medo: “Imagine se a moda pega?”.
Para tanto, contaram com a tática da criminalização, com uma campanha de calúnias e tentativas de nos deslegitimar perante o conjunto da classe trabalhadora. Obviamente, usaram o monopólio dos meios de comunicação para seus objetivos. A revista Veja afirmou que somos “o MST das fábricas”. Ótimo, é um orgulho!
Porém, nós, poucos, mas valentes trabalhadores da Flaskô, decidimos resistir. E com a força e a solidariedade que recebemos de todo o Brasil e do Mundo, unindo as centrais sindicais as mais diversas, os partidos políticos num amplo espectro, sempre sob a perspectiva de frente única, compreendendo cada passo a ser dado diante da dinâmica da luta de classes. Se por um lado nunca podíamos garantir quanto tempo duraríamos, por conta da cotidiana instabilidade, é certo que tínhamos a certeza que ganharíamos. Porque sabemos que só teríamos a perder nossas correntes e ganhar uma esperança de vitória.
Hoje completamos 10 anos. Passaram-se os dois governos de Lula. E qualquer sombra de caminhar ao socialismo que poderíamos pensar existir nesse governo se esvaiu no ar. O primeiro governo Lula se recusou a encontrar uma solução, mesmo diante das diversas propostas que apresentamos, por meio da reivindicação da estatização sob controle operário, ou mesmo diante da proposta que o BNDES apresentou. Lula dizia que essa pauta não “estava no cardápio”. Mas vimos que o cardápio para os trabalhadores, de fato, era diferente dos grandes capitalistas, já que o mesmo estudo do BNDES foi usado para ação do governo em relação à Aracruz Celulose, JBS FriBoi, Grupo Votorantim, etc. O segundo governo decidiu atacar nosso movimento, sujando suas mãos ao criminalizar a luta dos trabalhadores, e empurrar a luta das fábricas ocupadas para morrer enfraquecida.
O governo Dilma até o momento trabalha para impedir que os projetos de leis que apresentamos no Senado prosperem. Como já demos publicidade e conhecimento, ressalta-se que são dois projetos: um desapropria a fábrica transformando em propriedade social controlada pelos trabalhadores e outro projeto permite que toda fábrica abandonada ou falida seja desapropriada e repassada aos trabalhadores para uma gestão democrática.
Por isso, nestes dez anos decidimos, mais uma vez, ir à ofensiva. Decidimos retomar com força a pressão sobre o governo Dilma/PT, e sobre o Senado Federal, para que aprovem imediatamente a declaração de interesse social para fins de desapropriação da Flaskô. Trata-se de uma decisão política, proporcionando um instrumento efetivo para a luta operária.
E temos a certeza que podemos ganhar porque não se trata de apenas uma fábrica resistindo contra o capitalismo, mas uma fábrica ocupada, resistindo na defesa das pautas históricas da classe trabalhadora em direção ao socialismo. É o que podemos ver no encontro de hoje, onde estão presentes, em grande demonstração de unidade de classe, várias representações internacionais, diversas organizações populares (do campo e da cidade), dezenas de sindicatos e representações estudantis.
A importância é ainda maior diante de uma conjuntura bastante interessante, de crise do capitalismo, ascenso das massas, rearticulação dos movimentos sociais em todo o mundo, inclusive, agora, chegando mais diretamente no Brasil. A burguesia precisará reprimir, criminalizar, mas as contradições ficarão cada vez mais evidentes, e somente deixará mais evidente a necessidade de construção de outra sociedade, não mais fundada na exploração da força de trabalho.
Sabemos que não há socialismo num só país, muito menos sobreviverá somente uma fábrica ocupada, isoladamente. Por isso, como demonstramos nesses 10 anos, somente a unidade de classe, inclusive para além das fronteiras nacionais, poderá dar uma saída real para a luta da classe trabalhadora em direção à transformação dessa sociedade.
Assim, a luta continuará, e precisamos de toda a solidariedade de classe que fez com que a Flaskô ficasse aberta até hoje. Nesse sentido, convocamos todos aqueles comprometidos com a luta da classe trabalhadora por sua emancipação, para que se junte conosco nas lutas e batalhas que serão travadas no próximo período, convidando, desde já, para a Caravana à Brasília em 23 de outubro de 2013, para realização de uma Audiência Pública onde discutiremos os referidos projetos de lei e as perspectivas para as fábricas ocupadas e a garantia das conquistas sociais da classe trabalhadora.

Viva os 10 anos da Fábrica Ocupada Flaskô!

Viva a solidariedade internacional da classe trabalhadora!

Sumaré/SP, Brasil, 15 de junho de 2013.

Assinam essa carta, todos os trabalhadores da Flaskô e todas as entidades e organizações presentes neste encontro, aprovada por unanimidade
Maiores informações veja em http://www.fabricasocupadas.org.br

Exercícios de Fixação:

  1. O que são os meios de produção?
  2. Quem são os operários? Qual seu papel na produção? Quais são seus interesses?
  3. Quem são os burgueses? Qual seu papel na produção? Quais são seus interesses?
  4. No geral, a quem favorece a situação atual? A quem interessa manter e a quem interessa destruir a ordem das coisas?

Exercícios de Interpretação:

1. Interprete as imagens abaixo, e relacione com o vídeo e o texto:
a)819184_325250980924802_1463245444_o
b)
OgAAAFrcZU_RfvTlVnAgHgQXTq6tFb-OY20KUFisc4legoS8oAeCLN1443LB91qJSirOveNf6vn-GnGdPIiiFyNMpLAAm1T1ULluCQG6rJLnS-6houfTPrwu647X
c)
73558_418112871642567_1883686776_n
2. Os operários da fábrica Flaskô tiveram e continuam tendo muitas dificuldades em manter a fábrica hoje ocupada, por não ter acesso à financiamentos e crédito. Na sua opinião, as dívidas do do antigo patrão (burguês) seria o único empecilho junto aos credores?
3. Mesmo com todas as dificuldades, os operários conseguiram reduzir a jornada de trabalho para 30 horas semanais. Trabalham 6 horas por dia e dessa forma possuem mais tempo para ficar com a família, fazer cursos ou debater assuntos da comunidade. Porque você acha que essa fábrica conseguiu reduzir tanto a jornada de trabalho sem redução de salário, o que em outras fábricas parece impossível?

Para aprofundar:

encontro-com-milton-santos-ou-o-mundo-global-visto-do-lado-de-cc3a12

FICHA TÉCNICA:
Título: Encontro com Milton Santos ou O Mundo Global Visto do Lado de Cá
Lançamento: 2007 (Brasil)
Direção: Sílvio Tendler
Duração: 89 min
Gênero: Documentário

RESENHA por David Rejes Rangel

O filme Encontro com Milton Santos – O MUNDO GLOBAL VISTO DO LADO DE CÁ de Silvio Tendler recupera parte da visão do importante geógrafo brasileiro.  Traçando um panorama geral do mundo, principalmente na relação entre os grandes centros econômicos e políticos em contraste com a periferia mundial, o diretor delineia aspectos urgentes das reflexões de Milton Santos para a transformação da situação vigente. Parte portanto de uma crítica já quase abandonada e inquestionada pela maioria dos intelectuais, insistindo necessariamente na questão da luta por um mundo mais justo. Essa crítica, apesar de periférica é urgente fundamentalmente para os que não possuem meios para fazerem-se ouvir, pois apesar de presentes nas ruas das grandes capitais e nas periferias, já não despertam solidariedade pelos que passam ao seu lado dia a dia.

Desconstrói portanto o mito da Globalização. Mito de que a integração comercial entre os países e o aumento tecnológico vivido nas últimas décadas trouxe satisfação das necessidades do homem. A necessidade que deveria ser combatida pela tecnologia é resultado de uma desigualdade cada vez maior, fruto da acumulação de capital possibilitada por essa tecnologia e integração comercial.

Nesse processo de desconstrução do mito da Globalização, o diretor, demonstrando o pensamento de Milton Santos, discute a aplicação prática do Consenso de Washington que se tornou a cartilha para a maioria dos países da América Latina, principalmente com as privatizações, a abertura para as multinacionais, que geraram subempregos combinados com um massivo desemprego.

Não obstante, trata ainda da urgente questão da fome, tema hediondo para um mundo que se considera civilizado e que assiste com indiferença o grande problema para a humanidade. Nesse sentido, assevera ser a questão da fome um problema de distribuição, e não de produção, isto é, não é necessário produzir mais alimentos, pois o produzimos em abundância, muito mais que consumimos, a questão é a distribuição desses alimentos que se concentram onde há abundância e não chegam onde há escassez. Milton Santos afirma que a questão da fome é uma escolha da humanidade, por convivermos tanto tempo com essa situação e não termos transformado essa situação.

A questão da privatização da água é outro tema de importante discussão, visto que há um esforço mundial de multinacionais pela privatização desse recurso natural indispensável ao homem, sem pensar do bem estar da humanidade, apenas buscando novos mercados que possibilitem acumular mais e mais capital.

Esse capital que tem seu livre tráfego defendido, assim como produtos e serviços, mas que restringe violentamente com mortes diárias o tráfego de pessoas entre os países fugindo da miséria em busca de um sonho no qual suas necessidades são supridas.

Nesse nosso modo de produção, o homem deixa de lado o antropocentrismo, abnega sua posição de centro do mundo, para dar lugar ao dinheiro, ao capital em seu estado puro. Essa nova forma de organizar o mundo que vem sendo implantada á algumas décadas é massivamente imposta pela ideologia vinculada a mídia.

Nesse setor, seis empresas controlam noventa por cento do mercado de mídia mundial. Isso resulta num controle quase exclusivo da mídia por um grupo pequeno de grandes empresários, que detém o monopólio da informação.

Essa informação vem ao povo, ao trabalhador empregado ou desempregado, estabelecido ou marginal, como notícia. Essa notícia muitas vezes é recebida como verdade, sem desconsiderar os interesses por parte dos transmissores. Ignora-se o processo de transformação do fato em notícia que resulta da interpretação do fato em si, tanto em níveis inconscientes quanto em níveis conscientes de forma inevitável.

Dado o fato de que essas notícias são criadas através da interpretação dos fatos por empresas que detém o monopólio da informação, resulta-se que as notícias carregam os interesses dessas empresas e dos empresários.

Controlando então a informação, esses empresários que estão na maior parte das vezes vinculados também á outros setores da indústria, dos serviços e do comércio, controlam o que chega ao trabalhador exercendo certo domínio do que se pensa.

Globaritarismo, conceito de Milton Santos designa justamente essa forma imposta de enxergar o mundo segundo a visão da mídia que tem interesse em reproduzir e aprofundar esse processo predatório de exploração mundo e das pessoas por um pequeno grupo de empresários.

O mundo então, não poderia ser analisado como uma unidade, mas de forma a melhor compreende-lo, poderíamos vê-lo como um grupo, mais especificamente um trio:

1) um mundo tal como nos fazem vê-lo, a globalização como fábula.

Esse mundo é o que nos é apresentado pelo monopólio midiático que nos informa segundo seus próprios interesses, quase sempre contrários ao da maioria da sociedade.

2) um mundo tal como ele é, a globalização tal como perversidade.

Esse mundo que Silvio Tendler tenta mostrar segundo a ótica de Milton Santos, nesse lúcido e urgente filme.

3) um mundo como ele pode ser, uma outra globalização.

Que é o mundo sonhado, desejado, e objeto da luta de Milton Santos durante sua vida. Um mundo que tem todas as capacidades técnicas e humanas para se reorganizar segundo o interesse e necessidade da maioria das pessoas.

E para fechar a análise do filme, encerramos com as palavras de Milton Santos quando questionado sobre a humanidade: “Estamos fazendo os ensaios do que será a humanidade. Nunca houve”.

(Licença Creative Commons)

 191111_marx_keynesTribuna Popular -[Tradução do Diário Liberdade] “Agora todos somos keynesianos”. Assim o disse Richard Nixon, o então presidente republicano dos EUA, em 1971.


Quarenta anos depois, parece que John Maynard Keynes volta a estar na moda, especialmente entre os líderes do movimento operário britânico.

As direções reformistas do Partido Trabalhista e os sindicatos teimam na ideia keynesiana de que a economia só tem de ser “estimulada” para voltar ao crescimento. Mas tal e como os marxistas já temos explicado antes, a crise econômica atual não é só parte de uma crise cíclica de auge e recessão, mas uma crise orgânica do capitalismo, e o crescimento econômico não pode ser gerado à vontade.

Na conferência do Partido Trabalhista de setembro de 2011, Ed Balls, o responsável de economia no partido, anunciou um novo “plano de cinco pontos para o crescimento”, que consiste em:

– Um imposto sobre prima-as dos banqueiros.

– Fomentar planos de investimento em longo prazo.

– Reverter os recentes incrementos no IVA.

– Uma redução temporária do IVA sobre as melhorias nas moradas.

– Conceder às pequenas empresas que contratem trabalhadores adicionais em um ano de isenção no pagamento da segurança social.

As medidas individuais a respeito de tal ou qual redução de impostos carecem de muita importância. O que deve ser examinado, no entanto, é a constante menção a respeito de impulsionar “políticas de crescimento” – uma linha que aparece constantemente no discurso dos dirigentes do Partido Laborista e dos dirigentes sindicais. O envolvimento de semelhante discurso é que os conservadores e outros governos burgueses seriam então contra o crescimento econômico!

É claro que qualquer economista ou político se mostrará a favor do crescimento econômico, já que a vida é bem mais fácil para a classe dominante enquanto o bolo fica cada vez maior e umas quantas migalhas podem ser lançadas para as massas. O problema é que o crescimento sob o capitalismo não pode simplesmente aparecer como se se tirasse um coelho de uma cartola.

Para estes homens e mulheres ingênuos na direção do movimento operário, a solução à crise econômica é simples: há que “estimular o crescimento”. Eles veem a economia como um motor que parou e que só precisa uma faísca para se acender de novo. Mas o crescimento sob o capitalismo não pode ser gerado como se abre e se fecha uma torneira. Para já, se o crescimento pudesse ser criado à vontade, então não existiriam as recessões!

Mostrem o dinheiro!

Keynes é famoso sobretudo por seu defesa da intervenção governamental durante a Grande Depressão da década de 1930, que se refletiu em líderes como Roosevelt nos EUA, quem levou a cabo o “New Deal”, em resposta à crise. A ideia era simples: o desemprego era alto, e estava atuando como um lastro para a procura. A “solução” era que o governo injetasse um estímulo em massa na economia mediante o início de grandes infraestrutura e programas de construção, tais como a barragem Hoover. A teoria era que, ao se reduzir o desemprego, os trabalhadores ganhariam salários que poderiam ser gastos com o fim de aumentar a procura. A necessidade de materiais e ferramentas nos programas de obras públicas também ajudou a encher os livros de encomendas de muitas empresas privadas.

A realidade é, no entanto, que o New Deal não resolveu nada. A Grande Depressão prolongou-se até o início da Segunda Guerra Mundial. No entanto, os políticos e os economistas de hoje em dia, mais uma vez, olham para a ideia de um novo New Deal. O único problema é, no entanto, que os governos de todo mundo se ficaram sem dinheiro com que estimular suas economias. Após terem sucessivamente resgatado os bancos, a dívida soberana nos países capitalistas avançados já é demasiada alta como para obterem dinheiro de uns mercados financeiros nervosos.

A intervenção do governo para estimular a economia pode soar como qualquer coisa simples, mas os governos não têm dinheiro próprio para gastar. Afinal, a despesa pública deve ser financiada mediante impostos ou mediante o déficit e o endividamento. No entanto, os mercados de crédito já se mostram preocupados com a capacidade dos governos para pagarem suas dívidas, sendo este o motivo pelo que a austeridade está sendo imposta à população em um país depois de outro. Entretanto, qualquer imposto adicional deve ser obtido dos trabalhadores ou das empresas, mas os impostos adicionais aos trabalhadores atuam como um corte nos salários e portanto cortam a procura, anulando a intenção original de estímulo do governo (ou seja, estimular a procura), enquanto o incremento de impostos às empresas reduzem os lucros, originando uma falta de capital e uma queda do investimento.

Investimento e sobreprodução

Marx explicou que é o investimento na produção por parte dos capitalistas o que constitui a força impulsionadora do capitalismo. A concorrência entre os diferentes capitalistas individuais obriga cada um a investir na produção na procura de maiores lucros. Ao investir em nova maquinaria e processos mais produtivos, um capitalista pode aumentar a produtividade da força de trabalho, e portanto produzir uma massa maior de mercadorias com menos trabalhadores. Isto, a sua vez, lhe permite ao capitalista reduzir seus custos e assim reduzir seus preços por baixo dos oferecidos por seus rivais. Deste modo, um capitalista individual pode ganhar quotas de mercado e obter grandes lucros. Estes lucros são, em sua maior parte, reinvestidos na produção pelos capitalistas, o que aumenta ainda mais a produtividade.

Marx também explicou, no entanto, que existem contradições inerentes a este processo, derivadas do fato de que, por um lado, os trabalhadores só recebem em forma de salários uma fração do valor que produzem, ou seja, a riqueza que eles criam; mas que, por outra parte, estes salários em última instância, constituem o mercado, quer dizer, a procura efetiva para os produtos que estão produzindo. Isto leva a aquilo que Marx chamou uma “crise de sobreprodução”, na qual os capitalistas não podem vender seus produtos e conseguir assim seus lucros. Sob o capitalismo, onde os meios de produção são de propriedade privada, a produção se dá com fins de lucro, portanto, quando o lucro não puder ser realizado, a produção será detida, enviando milhões de trabalhadores ao desemprego.

Esta era a situação à qual se enfrentava o mundo durante a Grande Depressão e é a mesma à que a economia mundial se enfrenta agora. Não foi o New Deal ou qualquer outra medida keynesiana o que sacou o mundo da depressão na década de 1930, pois isto foi possível graças à grande destruição de capital durante a Segunda Guerra Mundial e a expansão do mercado mundial após a guerra. Estes fatores, entre muitos outros, são os que abriram o caminho para a “idade dourada” do capitalismo na década de 1950 e 60, quando a economia conseguiu seu crescimento mais rápido até este momento. Ted Grant explicou os fatores que permitiram o boom da posguerra em uma brochura titulada Haverá uma recessão?:

“Quais são as razões básicas que explicam o que aconteceu na economia mundial durante o período posterior à Segunda Guerra Mundial?

1. O fracasso político dos estalinistas e dos social-democratas, na Grã-Bretanha e Europa ocidental, que criou um clima político favorável para a recuperação do capitalismo.

2. Os efeitos da guerra na destruição de bens de consumo e capital criaram um grande mercado (a guerra tem efeitos similares – embora mais profundos -na destruição de capital que uma recessão). Estes efeitos, segundo as estatísticas da ONU, não desapareceram até 1958.

3. O Plano Marshall e outras ajudas econômicas destinadas à recuperação econômica da Europa Ocidental.

4. O enorme aumento do investimento na indústria.

5. O surgimiento de novas indústrias: plásticos, alumínio, aeronáutica, eletrônica, energia atômica, químicas, fibras artificiais, borrachas sintéticas, metais ligeiros, eletrodomésticos, gás natural, energia elétrica, atividade da construção…

6. As enormes quantidades de capital fictício, criadas pela despesa em armamentos e que atingiu os 10 por cento do rendimento nacional na Grã-Bretanha e Estados Unidos.

7. Os novos mercados para bens de capital nos países em via de desenvolvimento, proporcionando à burguesia local a oportunidade de desenvolver a indústria em uma escala não vista até então.

8. Todos estes fatores interagiram entre eles. O aumento da procura de matérias-primas, através do desenvolvimento da indústria nos países metropolitanos, por sua vez, influi nos países subdesenvolvidos e vice-versa.

9. O aumento do comércio entre os países capitalistas, especialmente em bens de capital e produtos de engenharia, devido ao aumento do investimento econômico, atuou nesse momento como um estímulo.

10. O papel da intervenção estatal no impulso da atividade econômica.

Todos estes fatores explicam o aumento da produção desde a guerra. Mas o fator decisivo foi o aparecimento de novos setores e ramos da produção onde investir capital, que é o principal motor da atividade econômica”(Ted Grant, Terá uma recessão?, 1960).

De maneira similar, a economia mundial foi capaz de crescer durante os anos 1980 e 90 devido a uma combinação de outros fatores: a expansão do mercado à Rússia, Europa Oriental, e China, a mão de obra mais barata nestes países, que se pôs ao dispor do capitalismo, a maior exploração da classe operária nos países capitalistas avançados após a derrota do movimento operário e o falhanço dos sindicatos, e o uso do crédito para expandir artificialmente o mercado.

Estes períodos de auge refletem-se nas cifras de rentabilidad do mercado de valores, calculados por Crédit Suisse e proporcionados por The Economist em um artigo sobre o rendimento dos ativos (The Economist, 15 de outubro de 2011). Entre 1949-1959, os rendimentos bolsistas reais a nível mundial foram de 562%. Graças ao papel do Plano Marshall e os outros fatores enumerados por Ted Grant citados acima, os dados da Alemanha e Japão durante o mesmo período foram de 4.094% e 1.565%. Os rendimentos bolsistas mundiais foram de 255% em 1980-1989 e 114% em 1990-99. Curiosamente, The Economist não proporciona os dados de 1931-38 nem de 1975-79.

A profundidade da crise

Nada demonstra melhor a profundidade da crise atual que a falta total de investimento dos capitalistas na economia produtiva. No mesmo artigo citado, The Economistdestaca que os capitalistas não estão investindo, apesar das margens de lucro que “estão próximos de seu máximo em 50 anos”. A razão disto é o excesso de capacidade, isto é a sobreprodução, que já existe dentro do sistema. Por que investir na produção real quando já há muitos mais produtos dos que podem ser vendidos?

Há um monte de dinheiro no mundo, mas acha-se concentrado em relativamente poucas mãos; umas mãos que se mostram renuentes a investir na produção. Como explicaThe Economist:

“Quase todas as classes de ativos parecem estar cheias de perigos. As ações sofreram dois mercados em baixa em pouco mais de uma década, e seguem sendo vulneráveis à recessão do mundo rico, os bónus do governo oferecem pouca proteção contra o resurgimiento da inflação, os produtos básicos são volátiles e reféns de uma possível queda da procura chinesa, o setor imobiliário segue sofrendo de indigestão após o auge da última década”.

Em vez de investir sua riqueza na produção, a burguesia está pondo seu dinheiro na atividade especulativa. Portanto vemos o aumento do preço do ouro e de outros metais preciosos, do franco suíço (levando o governo suíço a intervir ativamente para manter sua moeda baixa) e outras moedas, bem como de produtos tais como os alimentos básicos e o petróleo. Esta especulação, por seu turno, contribui para a inflação.

Em seu desespero, os governos viram-se empurrados para uma política de impressão de dinheiro mediante a “flexibilização quantitativa”. Estão jogando dinheiro aos capitalistas, suplicando-lhes que invistam na produção real, criem empregos e façam com que a economia recresça. Os capitalistas, no entanto, não podem ser obrigados a investirem sua riqueza. Sob o capitalismo, o investimento faz-se em base à busca de lucros. Se não existirem perspetivas de os obter, o investimento na produção real detém-se.

A necessidade do socialismo

A senilidade do capitalismo e a natureza orgânica da crise atual – uma crise de sobreprodução – estão adequadamente demonstradas por esta falta de investimento que se observa atualmente na economia. Além disso, pode ser percebida a necessidade objetiva do socialismo, quer dizer, a necessidade de investir as enormes quantidades de riqueza que existem na sociedade, para satisfazer as necessidades das pessoas, não para a obtenção de lucros.

Em lugar de olhar para Keynes e tratar de “estimular o crescimento” da economia, a direção do movimento operário deveria olhar para Marx e tomar o controle das alavancas fundamentais da economia. Concretamente, isto significa a nacionalização dos bancos e dos grandes monopólios – sem um cêntimo de indenização para os capitalistas – e utilizar estes ativos para os investir em aquilo que a sociedade decidir de forma democrática que precisa.

Sob o capitalismo, o potencial produtivo da sociedade encontra-se limitado por duas grandes contradições: a propriedade privada dos meios de produção e o Estado nacional. Sob o socialismo, no entanto, o céu é o único limite.

via diárioliberdade.